Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Rússia adverte que 'jihadistas' se reagruparam em Alepo

Terroristas aproveitaram a trégua.
4 de Junho de 2016 às 12:32
Há várias semanas que os dois grupos 'jihadistas' atacam os bairros de Alepo
Há várias semanas que os dois grupos 'jihadistas' atacam os bairros de Alepo FOTO: Reuters
O comando militar russo na Síria disse este sábado que o Daesh e a Frente al Nusra aproveitaram as tréguas para se reagruparem na província de Alepo para armazenar armamento e munições.

"Reagruparam-se, reforçaram o arsenal com armamento e munições e começaram a lançar uma grande ofensiva. Os grupos terroristas não parecem ter falta de munições", disse o porta-voz russo da base de Jmeimim, na província de Latakia, a meios de comunicação social locais.

Há várias semanas que os dois grupos 'jihadistas' atacam os bairros de Alepo, a segunda cidade síria, sob controlo governamental, incluindo o aeroporto, mas também as posições dos rebeldes que combatem o regime de Bachar al Asad.

"Bombardeiam bairros residenciais, edifícios administrativos e as posições das forças governamentais e dos rebeldes e os ataques são intensivos", referiu a mesma fonte.

Acrescentou que desde que a trégua entrou em vigor, em finais de fevereiro, os dois grupos ´jihadistas` têm-se posicionado perto das milícias da oposição a fim de evitarem os bombardeamentos da aviação russa.

Antes, o comando militar russo tinha denunciado uma nova ofensiva da Frente al Nusra contra as forças governamentais nas províncias de Alepo, Idleb e Latakia.

Os ´jihadistas`, que utilizaram armamento pesado desde lançadores de mísseis a morteiros, atacaram as posições do exército sírio e assumiram o controlo de pequenas localidades de Latakia.

Na altura referiram que perto de mil ´jihadistas` munidos de baterias de mísseis e de metralhadoras de grande calibre se tinham concentrado em Idleb com o intuito de lançarem o ataque contra o exército.

Segundo a mesma fonte, os terroristas, 200 dos quais cruzaram a fronteira vindos da Turquia, também atacaram zonas habitadas nas províncias de Damasco, Homs e Hama.

O porta-voz do exército russo denunciou ainda que o Exército Livre Sírio estava a coordenar as suas ações com o Daesh para conter a atual ofensiva das milícias curdas contra Alepo.

O ministro dos Assuntos Exteriores russo, Serguéi Lavrov, manteve esta semana conversações pelo telefone com o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, sobre a necessidade de a oposição síria abandonar com urgências as posições da Frente al Nusra.

Contudo, Lavrov disse na sexta-feira que os Estados Unidos continuam a resistir a que a aviação russa ataque as posições ´jihadistas` em torno de Alepo por considerar que esses bombardeamentos acabariam por dizimar as fileiras da oposição moderada.

Lavrov recordou que esta semana termina o prazo para que a oposição síria se junte à trégua em vigor desde finais de fevereiro sob pena de as suas posições se converterem em alvos legítimos da aviação russa.

O ministro da Defesa russo, Serguéi Shoigú, propôs aos Estados Unidos o bombardeamento conjunto das posições dos ´jihadistas` na Síria.

Caso contrário, Moscovo assegurou que se reserva o direito de lançar uma ofensiva "unilateral" contra os grupos armados que não acatem o cessar-fogo.
Síria Alepo Frente al Nusra política distúrbios guerras e conflitos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)