Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Serra ao ataque na recta final

Mais de dez pontos atrás de Dilma Rousseff nas sondagens, o candidato da oposição à Presidência do Brasil, José Serra, decidiu passar ao ataque, numa estratégia do tudo ou nada para tentar ser eleito no próximo domingo. Serra acredita que ainda é possível vencer, mas primeiro precisa de convencer os seus apoiantes a não desmobilizarem face ao panorama pouco animador das sondagens.
26 de Outubro de 2010 às 00:30
José Serra tem poucos dias para reduzir a desvantagem nas sondagens em relação a Dilma Rousseff
José Serra tem poucos dias para reduzir a desvantagem nas sondagens em relação a Dilma Rousseff FOTO: Marcelo Sayao/Epa

Depois da grande manifestação de domingo no Rio de Janeiro, outros megaeventos estão planeados para os próximos dias em vários pontos do país, para tentar galvanizar os apoiantes da oposição. Também por esse motivo, Serra, normalmente o candidato mais moderado, subiu nos últimos dias o tom das críticas contra o governo e contra o próprio presidente Lula, que até agora poupava.

"O governo do Brasil foi deixado de lado porque o presidente encarnou uma candidatura, um partido", acusou ontem Serra, criticando a actuação de Lula na campanha de Dilma e acusando-o também de impedir ou dificultar o julgamento de aliados corruptos: "Todos são iguais perante a lei, não há justiças separadas. Mas, para os companheiros [designação com que Lula se refere aos aliados], a justiça é sempre mais suave, mais lenta, é obstruída."

O partido vai ainda lançar uma agressiva campanha telefónica junto do eleitorado com mensagens exortando ao voto. n

Serra Dilma Eleições Brasil
Ver comentários