Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Sete feridos ainda em estado grave em Angola

Dezassete pessoas perderam a vida durante tragédia num campo de futebol.
11 de Fevereiro de 2017 às 15:51
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
17 pessoas morreram nesta tragédia
Sete dos 59 feridos do incidente de sexta-feira no estádio municipal 04 de Janeiro, na cidade angolana do Uíge, quando centenas tentavam assistir à estreia do 'Girabola', permanecem em estado grave, além do registo oficial de 17 mortos.

A informação foi confirmada hoje à agência Lusa por fonte oficial dos serviços de proteção civil e bombeiros do Uíge, cerca de 24 horas depois de registado o incidente à porta do estádio, na partida inaugural do principal campeonato angolano de futebol.

"O número de vítimas mortais não teve alteração. O número oficial é de 17 vítimas mortais e 59 feridos, alguns destes já começaram a receber alta por melhorias e sete ainda inspiram cuidados médicos", precisou hoje a mesma fonte, acrescentando que os feridos foram encaminhados logo na sexta-feira para o hospital provincial do Uíge.

Segundo informação prestada ainda na sexta-feira à Lusa por fonte da equipa da casa, o Santa Rita de Cássia do Uíge, que se estreia esta época no principal campeonato angolano de futebol, o incidente terá sido provocado por um alegado forçar da entrada no estádio pelas pessoas, que causou a morte, por asfixia, de vários adeptos, incluindo crianças.

O Presidente angolano lamentou entretanto a morte dos adeptos que tentavam assistir ao jogo de futebol no Uíge, instruindo o governo provincial a dar apoio aos sinistrados e ordenando a abertura de um inquérito.

A investigação, segundo dados recolhidos pela Lusa, é coordenada pela delegação provincial do Uíge do Ministério do Interior.

O jogo inaugural do campeonato angolano de futebol, o 'Girabola' 2017, entre o Santa Rita de Cássia e o Recreativo do Libolo teve milhares de pessoas a tentar assistir à partida num estádio com capacidade para pouco mais de 1.000 adeptos.

O Ministério da Juventude e Desportos já solicitou à Federação Angolana de Futebol, à Associação de futebol local e às autoridades da província do Uíge que averiguem as causas do acontecimento e a tomada de medidas que se imponham necessárias.

O presidente do Santa Rita de Cássia, clube formado em agosto de 2015 e que no seguinte sagrou-se campeão da segunda divisão, carimbando assim a subida ao 'Girabola', responsabilizou a polícia pela tragédia que causou a morte de pelo menos 17 pessoas no estádio municipal 04 de Janeiro, na província de Uíge, no jogo com o Recreativo do Libolo, que terminou com a vitória dos forasteiros, por 1-0.

"Ocorreu um erro grave da polícia, ao deixar a população aproximar-se do campo. Muitos não queriam pagar e os que tinham bilhetes não conseguiam entrar. Depois começou a confusão. É muito triste", explicou Pedro Nzolonzi.

Em declarações à Lusa, o líder do clube vincou que as forças de segurança deveriam ter acautelado a chegada dos adeptos.

"Uíge é um povo que gosta de futebol e todo o mundo queria entrar no campo. Foi uma falha grave. A culpa disto tudo é da polícia. E era fácil evitar: era só alargar o cordão de segurança", disse o dirigente angolano.

Situada a cerca de 300 quilómetros de Luanda, a cidade do Uíge é capital da província com o mesmo nome, no norte de Angola, na fronteira com a República Democrática do Congo.
Uíge Girabola Angola Luanda República Democrática do Congo desporto futebol
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)