Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Sobe para 27 o número de mortos nas manifestações na Venezuela

Manifestações a favor e contra o Governo têm-se intensificado desde o início do mês.
26 de Abril de 2017 às 21:02
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
Imagens do segundo dia consecutivo de protestos na Venezuela
O Ministério Público (MP) venezuelano, confirmou hoje a morte de um jovem de 22 anos, elevando para 27 o número de mortes desde o passado dia 04 de abril, durante manifestações na Venezuela.

Segundo o MP, a 27.ª vítima mortal é Christian Humberto Ochoa Soriano, de 22 anos, que faleceu terça-feira à noite (madrugada de hoje em Lisboa) num centro hospital da cidade de Valência, capital do Estado de Carabobo, 150 quilómetros a oeste de Caracas.

A vítima foi atingida com vários tiros na segunda-feira passada, durante uma manifestação convocada pela oposição, transportada para um hospital, onde viria a morrer.

A confirmação da morte tem lugar no mesmo dia em que milhares de apoiantes da oposição voltam a manifestar-se em Caracas, para exigir a convocação de eleições gerais no país, a libertação dos presos políticos e o fim da repressão.

Desde há várias horas que os opositores insistem em marchar até à sede da Defensoria do Povo (espécie de provedoria de justiça), apesar da forte repressão policial em várias zonas da capital, principalmente na autoestrada Francisco Fajardo.

A localidade de Chacaíto (leste) está fortemente militarizada, com a população a queixar-se de que o Metropolitano não funciona nem os autocarros de passageiros, o que dificulta a circulação e inclusive o regresso a casa.

Desde 04 de abril que as manifestações a favor e contra o Governo venezuelano se têm intensificado.

A oposição, além de exigir a convocação de eleições gerais, a libertação dos presos políticos e o fim da repressão, protesta ainda contra duas sentenças recentes do Supremo Tribunal de Justiça, que concedeu poderes especiais ao chefe de Estado e limitou a imunidade parlamentar, assumindo as funções do parlamento.

De acordo com as autoridades venezuelanas, desde 04 de abril foram detidas 1.289 pessoas, 65 das quais continuam presas.
Ministério Público Venezuela Caracas mortes manifestações
Ver comentários