Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Somália vai permitir casamento forçado a partir do momento em que meninas atinjam puberdade

Cerca de 45% das mulheres naquele país casam antes dos 18 anos em uniões arranjadas.
12 de Agosto de 2020 às 15:25
Menina na Somália
Menina na Somália FOTO: Getty Images
O parlamento da Somália está a gerar polémica ao substituir uma lei que protege mulheres e meninas da violência com outra que permite o casamento forçado com menores desde que as meninas tenham atingido a puberdade. 

A nova lei irá permitir assim que continuem a existir casamentos arranjados com meninas menores de idade. O país do leste de África tem elevadas taxas de casamento infantil e violência contra as mulheres, incluindo violações e mutilação genital feminina. 

Cerca de 45% das mulheres da Somália casaram, obrigadas pelas famílias em casamentos arranjados, com menos de 18 anos e 98% sofreu mutilação genital feminina, de acordo com dados das Nações Unidas.

Ari Gaitanis, porta-voz da Operação das Nações Unidas na Somália, afirma que este é um "passo atrás" nos direitos das mulheres e crianças naquele país. 
Somália questões sociais crianças grupos populacionais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)