Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Suicida tornou-se radical em Inglaterra

O terrorista suicida que no sábado se fez explodir no centro de Estocolmo fazia 29 anos no domingo, refere a imprensa britânica, acrescentando que Taimour Abdulwahab al-Abdaly viveu em Luton, a norte de Londres, e tornou-se radical islâmico durante os anos em que aí frequentou a Universidade de Bedfordshire.
14 de Dezembro de 2010 às 00:30
A polícia fez buscas numa casa de Luton, a norte de Londres, onde Taimour viveu e se radicalizou
A polícia fez buscas numa casa de Luton, a norte de Londres, onde Taimour viveu e se radicalizou FOTO: Eddie Keogh/Reuters

O perfil do primeiro terrorista suicida a atacar a Suécia baseia-se em informações presentes na sua página do Facebook (que ontem já estava quase limpa na totalidade) e noutros sites, como o Muslima.

Neste site de encontros on-line, que frequentava a par de outros de pendor radical islâmico, o suicida afirmava procurar uma segunda mulher, com consentimento da primeira, para criar família alargada fiel às leis islâmicas. Taimour afirma aí ter nascido em Bagdad e ter mudado com a família para a Suécia em 1992. Em 2001, foi para Luton estudar fisioterapia.

Pensa-se que tenha conhecido no Reino Unido a mulher, de quem tem três filhos menores. Os vizinhos em Luton afirmam tê-lo visto pela última vez há duas semanas e meia, mas um deles garantiu ao ‘The Daily Mail’ que a mulher, as duas filhas e o filho, recém-nascido, continuam na cidade.

No mail de ameaça que enviou antes do atentado, Taimour incluiu uma nota para a família: "Perdoai as mentiras. Não fui ao Médio Oriente trabalhar, fui lá pela Jihad. Não podia dizer-vos."

A polícia britânica fez ontem buscas numa casa de Luton, mas não fez detenções nem encontrou materiais explosivos.

Recorde-se que a cidade é considerada berço de radicais islâmicos. Os suicidas que em 2005 realizaram os atentados no Metro de Londres reuniram-se em Luton antes do ataque.

Segundo o ‘The Guardian’, o Audi branco usado no atentado de Estocolmo, que matou o suicida e fez dois feridos, estava registado em seu nome com uma morada de Tranas, localidade sueca na qual fez os estudos secundários.

SUÉCIA TERRORISMO ESTOCOLMO
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)