Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Supremo brasileiro arquiva pedidos para apreender telemóvel de Bolsonaro que geraram crise institucional

Pedidos para apreender os aparelhos foram feitos pelo Partido Democrático Trabalhista.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 2 de Junho de 2020 às 22:20
Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro
Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro FOTO: Ueslei Marcelino

Após receber parecer contrário da Procuradoria-Geral da República às petições, o  juiz Celso de Melo, decano do Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF), determinou o arquivamento dos pedidos feitos por três partidos de oposição para apreensão e peritagem dos telemóveis do presidente do país, Jair Bolsonaro, do seu filho Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro mas que o está a assessorar em Brasília, pedidos esses que provocaram fortes reações do governo e causaram uma grave crise institucional. Celso de Melo é quem preside ao inquérito que tramita naquele tribunal investigando as denúncias do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro de que Bolsonaro trocou o comando da Polícia Federal para tentar interferir na corporação e blindar familiares investigados em outras acções.

Os pedidos para apreender os aparelhos foram feitos pelo Partido Democrático Trabalhista, PDT, Partido Socialista Brasileiro, PSB, e Partido Verde, PV, com a finalidade de se encontrarem mensagens que pudessem eventualmente comprovar as denúncias de Moro e os supostos crimes atribuídos a Bolsonaro. Além dos telemóveis do ex-presidente e do filho Carlos, os partidos tinham solicitado também a apreensão dos aparelhos de Sérgio Moro, do ex-director-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, cuja demissão por Bolsonaro levou Moro a deixar o governo, e da deputada bolsonarista Carla Zambelli, que tentou evitar a saída do ex-ministro em troca de uma nomeação futura deste para o Supremo Tribunal Federal.

O envio por Celso de Melo dias atrás ao Procurador-Geral da República, Augusto Aras, dos pedidos dos partidos para a apreensão dos telemóveis, com a solicitação de um parecer sobre o assunto, gerou uma crise política e institucional grave. Apesar de o pedido de parecer ao PGR ser uma praxe obrigatória por lei e de nada ter sido decidido pelo STF, Jair Bolsonaro ficou furioso, iniciou uma série de ataques públicos ao Supremo Tribunal e ao juiz Celso de Melo e gritou alto e bom som que em hipótese alguma acataria uma ordem para entregar o seu telemóvel à justiça, desafiando o magistrado a conseguir confiscá-lo.

Ainda mais grave do que as ameaças de Bolsonaro, que normalmente já usa um tom agressivo contra tudo e contra todos, foi um comunicado publicado sobre o assunto pelo ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, com o apoio do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva. Heleno considerou uma eventual ordem de apreensão do telemóvel de Bolsonaro algo "inconcebível e inaceitável" e, no que foi entendido no mundo político como uma ameaça de intervenção militar, declarou que, caso essa ordem se concretizasse, teria "consequências imprevisíveis para a estabilidade democrática".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)