Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Cinquenta mortos em ataque a discoteca gay

Atirador ficou furioso com beijo homossexual. Florida declarou emergência.
12 de Junho de 2016 às 08:28
Familiares choram pelas vítimas do massacre
Familiares choram pelas vítimas do massacre FOTO: Reuters

Pelo menos 50 pessoas morreram e mais de 53 ficaram feridas num tiroteio que ocorreu este domingo na discoteca gay Pulse, nos Estados Unidos. O ataque aconteceu na cidade de Orlando, na Florida, que declarou estado de emergência. 

O autor do massacre foi identificado como sendo um cidadão norte-americano de origem afegã, chamado Omar Saddiqui Mateen. Tinha 29 anos, residia em Florida, e não tinha registo criminal. O pai do suspeito já veio dizer que ataque não está relacionado com a religião mas que há algum tempo atrás, o jovem tinha ficado furioso ao ver dois homossexuais a beijarem-se, no centro de Miami.

O atirador esteve barricado durante cerca de quatro horas depois do tiroteio que ocorreu cerca das 02h00 locais (07h00 em Lisboa). As autoridades confirmaram que o autor do massacre morreu numa troca de tiros com a polícia. 

O homem barricou-se no espaço de diversão noturna e terá disparado contra as centenas pessoas que lá estavam. Um dos feridos é um polícia. 


O tiroteio começou fora da discoteca entre o atirador e um polícia. O homem fugiu e entrou armado para dentro da discoteca e fez vários reféns. Na discoteca Pulse estavam cerca de 320 pessoas.


 

A polícia de Orlando chamou ao local a brigada de minas e armadilhas e uma equipa de cinotécnicos.

No local esteve também uma equipa de negociadores do FBI para tentar libertar reféns. O FBI está a lidar com o caso como um "ato de terrorismo". As autoridades não descartam ligações ao Daesh. O atirador atuou sozinho e não é residente naquela área.

Inicilamente, o responsável pela Polícia de Orlando, John Mina, referiu em conferência de imprensa que o número de mortos era de "aproximadamente 20", mas o balanço subiu entretanto para 50 vítimas. Foram salvas cerca de 30 pessoas.

Atirador foi morto
O atirador, que tinha duas armas de fogo, uma delas uma pistola, foi morto num confronto com os agentes, referiu John Mina. O homem tinha ainda um "dispositivo", que pode ser explosivo.

 

A discoteca Pulse partilhou no Facebook uma mensagem: "saiam todos e continuem a correr".


Um dos reféns conseguiu aceder à sua conta do Twitter. Disse que estava escondido com mais três reféns e que não havia luz na discoteca. A polícia já entrou mas ainda não os encontrou. As respostas à publicação do refém Emílio, pedim que se mantivesse em silêncio e em segurança. 




A polícia de Orlando dá conta de vários feridos e pede à população que não se aproxime do local. 


Vídeo mostra as autoridades no local. É possível ouvir vários tiros.













Vídeo amador mostra vários feridos a serem assistidos. 

Várias pessoas no local dão conta de terem ouvido uma explosão. A polícia esclarece que ofi uma explosão controlada.

A Polícia de Orlando confirma no Twitter que o atirador que ainda estava dentro da discoteca está morto.


A polícia pede às testemunhas que se dirijam à esquadra para recolha de depoimentos. As autoridades ainda estão a investigar o motivo do massacre.


"Ato de terrorismo"

"Sempre que temos potencialmente dezenas de vítimas nas nossas comunidades, penso que podemos classificar [a situação] de atividade terrorista. Se é terrorismo interno ou internacional, é algo que iremos desvendar", disse Danny Banks, do departamento de aplicação das leis na Florida, em conferência de imprensa.

Questionado acerca da existência de alguma razão que levasse a crer que este tiroteio tem relação com o movimento extremista Daesh, o agente especial Ron Harper disse que os investigadores vão analisar "todos os ângulos".

"Temos indicações de que este indivíduo pode ter inclinação para essa ideologia particular, mas não podemos dizer terminantemente", acrescentou.


Obama pede informações

O Presidente dos EUA, Barack Obama, foi informado sobre o tiroteio e pediu para ter dados atualizados acerca do desenvolvimento da investigação, refere um comunicado da Casa Branca.

As autoridades inspecionaram a zona com 'robots' e procuraram dispositivos explosivos no carros estacionados perto da discoteca.

discoteca orlando gay pulse atirador tiros bomba reféns barricado estados unidos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)