Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

UE distinguida com Nobel da Paz

A vencedora surpresa do Prémio Nobel da Paz deste ano foi a União Europeia (UE), escolhida por "mais de seis décadas de contribuição para a paz e a reconciliação, a democracia e os direitos humanos na Europa".
13 de Outubro de 2012 às 01:00
Em tempos de crise e sob a ameaça crescente de desagregação da UE, o prémio foi recebido em Bruxelas como um incentivo precioso
Em tempos de crise e sob a ameaça crescente de desagregação da UE, o prémio foi recebido em Bruxelas como um incentivo precioso FOTO: françois lenoir/reuters

Enquanto alguns esperavam ver este ano distinguidos activistas russos ou da Primavera Árabe, o comité Nobel norueguês optou pela UE, uma das organizações que há muito estavam na lista dos premiáveis. Para o comité, é claro que a União Europeia, construída após os massacres da Segunda Guerra Mundial, ajudou a transformar a Europa "de um continente de guerra para um continente de paz".

Para o antigo presidente da Comissão Europeia Jacques Delors, a distinção é "uma mensagem moral e política", nestes tempos "de muitas críticas e prognósticos desfavoráveis à Europa".

O entusiasmo foi partilhado por Durão Barroso, actual líder da Comissão. "A mensagem é a de que a UE é algo muito precioso", afirmou, considerando as instituições europeias "parte da solução e não dos problemas" económicos que hoje afligem vários países europeus.

Por seu lado, a chancelar alemã, Angela Merkel, falou de "uma decisão maravilhosa", que representa "um estímulo e um compromisso" para o aprofundar da integração europeia.

Curiosamente, algumas das críticas mais duras chegaram da casa do Nobel da Paz, a Noruega, país que por duas vezes votou contra a integração na UE.

"Vai desencadear controvérsia, pois muitos políticos verão isto como uma intromissão abusiva nos assuntos internos da Noruega por parte do Comité Nobel", afirmou Kristian Berg Hapviken, do Instituto de Investigação da Paz, em Oslo, fazendo notar que a socialista Aagot Valle, a mais eurocéptica do comité, não votou por estar de baixa prolongada.

Cavaco saúda prémio europeu

O presidente da República, Cavaco Silva, congratulou-se com a atribuição do Nobel às instituições europeias, pois, frisou, "no nosso tempo, é essencial que a União Europeia (UE) continue a ser modelo de paz e de cooperação solidária". Cavaco destacou ainda que a escolha só foi possível porque a UE, "pela visão dos seus líderes e vontade dos seus povos, constitui um modelo de democracia, de paz e de coesão e um exemplo de harmonia para o Mundo".

UE Nobel Paz
Ver comentários