Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Vacinas comercializadas na China precisam de mais regulação

Afirmação da Organização Mundial da Saúde.
29 de Março de 2016 às 11:43
Vacinas
Vacinas FOTO: Direitos Reservados
A Organização Mundial da Saúde (OMS) apelou esta terça-feira a regulação mais rígida nas vacinas comercializadas na China, após as autoridades chinesas desmontarem uma rede de venda ilegal, no maior escândalo de saúde pública ocorrido no país desde 2008.

O caso envolve o armazenamento sem condições, transporte e venda ilegal de vacinas - muitas fora de prazo - avaliadas em 570 milhões de yuan (78 milhões de euros), segundo a imprensa estatal.

"As vacinas comercializadas pelo setor privado precisam de ser geridas, armazenadas, manuseadas, distribuídas e usadas de acordo com normas reconhecidas", afirmou um especialista da OMS em vacinação, Lance Rodewald, em comunicado.

Na China, vacinas obrigatórias, como contra a poliomielite, sarampo e hepatite B são fornecidas pelo serviço nacional de saúde, enquanto outras adicionais, incluído contra a meningite, gripe ou rotavírus podem ser adquiridas no setor privado.

O sistema público de vacinação é "fundamentalmente seguro" na China, afirmou Rodewald, acrescentando que as vacinas fora de prazo vendidas no setor privado não constituem uma ameaça para as crianças que as receberam.

"Os pais devem sentir-se melhor ao saber que os seus filhos não terão uma reação tóxica (...), mas algumas crianças talvez precisem de ser revacinadas", afirmou.

Mais de 130 suspeitos foram detidos na sequência do último escândalo relacionado com a saúde e segurança na China, onde 300 mil crianças adoeceram e seis morreram em 2008 com leite em pó contaminado com melamina.
Organização Mundial da Saúde China saúde vacinas
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)