Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Violência ameaça plano de Obama

O passado mês de Abril foi o mais sangrento no Iraque desde Setembro do ano passado. Pelo menos 18 militares dos EUA, 371 civis iraquianos e 80 peregrinos do Irão perderam a vida em ataques de grupos armados e atentados à bomba, numa escalada de violência que poderá ser explicada pela deserção das milícias sunitas que colaboravam com as tropas norte-americanas. A gravidade da situação pode pôr em causa a retirada das tropas dos EUA, que o presidente Barack Obama quer ver concluída até final de 2010.

4 de Maio de 2009 às 00:30
Final de 2010 é data prevista para retirada das tropas
Final de 2010 é data prevista para retirada das tropas FOTO: Reuters

O regresso das milícias – conhecidas como ‘Despertar’ ou ‘Filhos do Iraque’ – à luta sectária alimentada pela al-Qaeda ocorreu depois de os pagamentos efectuados pelos EUA aos cem mil guerrilheiros sunitas terem sido transferidos, em Abril, para o governo do Iraque. Este empregou apenas cerca de cinco mil elementos nas forças de segurança, criando nos restantes um sentimento de revolta contra o primeiro-ministro xiita, Nouri al-Maliki. "A resistência regressou ao terreno e intensificou os ataques. O número de inimigos mortos está a aumentar", confirmou um líder do Conselho Político de Resistência do Iraque, que representa seis grupos sunitas.

Em Washington, são cada vez mais os que apoiam o adiamento da retirada. É o caso de Richard Haass, presidente do Conselho para as Relações Internacionais: "Em minha opinião, o Iraque e os EUA terão de reajustar prazos e deixar milhares de efectivos para lá de 2011." Obama ainda não se pronunciou sobre o assunto.

"WALL STREET VAI PERDER PESO"

Em entrevista ao ‘The New York Times’, o presidente Barack Obama reafirmou ontem as suas prioridades económicas e frisou que, no novo cenário que se desenha para a saída da crise, Wall Street "não poderá representar metade da economia dos EUA". O presidente manifestou-se ainda optimista quanto ao futuro, salientando que não acredita que o seu país "vá perder as enormes vantagens que provêm da transparência, abertura e fiabilidade dos nossos mercados".

Entre as mudanças a consolidar nos próximos anos, destacou a urgência de restabelecer o equilíbrio perdido entre "o fabrico de bens e a prestação de serviços". Por isso, uma das suas prioridades do presidente é apostar na formação superior de técnicos qualificados em áreas como a engenharia.

SAIBA MAIS 

VÍTIMAS CIVIS

Os números relativos a vítimas civis variam muito consoante as fontes e métodos de contagem, situando-se entre os cerca de cem mil mortos (segundo o Iraq Body Count) e mais de um milhão (segundo a Opinion Research Business Survey).

4281

é o número de militares dos EUA que morreram no Iraque desde o início da invasão, em Março de 2003.

18

soldados norte-americanos perderam a vida em Abril deste ano em atentados da al-Qaeda e ataques das milícias iraquianas.

BAIXAS NAS MILÍCIAS

Os ataques das tropas da coligação contra a al-Qaeda e as milícias sunitas e xiitas no Iraque fizeram um número de mortos estimado em cerca de 25 mil. Este número inclui cerca de 1700 bombistas.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)