Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Alexandre Pais

Um país de castas

A pretensão intelectual não foi derrotada no Pavilhão Atlântico.

Alexandre Pais 1 de Julho de 2017 às 00:30
Não existirá entre nós gente mais elitista que os escritores. E não creio que haja pessoas que eles mais detestem do que as figuras da televisão que escrevem livros.

Imagino assim a raiva com que ouvem, na TV, a promoção de uma obra assinada por um pivô, em que o autor é apontado – por opção da editora ou do próprio – como "um grande escritor". Não sendo nem verdade, nem eu fã do jornalista, agrada-me a indignação que o delírio provoca porque se algo ainda me irrita é o espírito de casta de algumas criaturas.

Refiro isto a propósito do espetáculo com que um grupo de intérpretes quis esta semana ajudar as vítimas dos terríveis incêndios do centro do país. Apesar do clima desfavorável ao politicamente incorreto e da beleza do abraço solidário esmagar qualquer crítica, não resisto a dar voz aos excluídos – cantores tão queridos do público como os que estiveram no Pavilhão Atlântico. E que são artistas igualmente tocados pela tragédia, disponíveis para o auxílio e merecedores da oportunidade de servir que uma casta lhes negou.

Portugal uniu-se contra a visita do diabo a Pedrógão Grande, mas desperdiçou o momento para derrotar também a pretensão de superioridade intelectual. Nem o inferno nos muda o ADN.
Alexandre Pais opinião
Ver comentários