Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Almeida Henriques

Termómetros em alta

A estabilidade não é tudo nem justifica tudo, mas é um bem em si. É um fator de confiança para a sociedade e famílias.

Almeida Henriques 29 de Março de 2016 às 00:30
Estabilidade foi a palavra- -passe do acesso do Orçamento de Estado à aprovação do Presidente da República. Num registo de comunicação invulgar, mas ao seu estilo, o "professor-presidente" explicou ontem aos portugueses, de forma simples e clara, as razões da sua decisão: "é preciso viver em estabilidade." Para lá da conflitualidade partidária, que também faz a essência da democracia, o exercício de Marcelo foi o de ver "por cima": ver o interesse nacional maior no atual contexto. Fez bem. Sobretudo porque invocou as razões certas.

A estabilidade não é tudo nem justifica tudo, mas é um bem em si. É um fator de confiança para a sociedade e as famílias, para empresas e os investidores. E o Presidente conhece a situação de incerteza profunda que atravessamos, nos planos interno e externo. A Europa esboroa-se de dia para dia sem um projeto, à mercê de lideranças fracas e sob a ameaça cobarde mas omnipresente do terrorismo. O sistema financeiro vive novamente um clima de nervos à flor da pele — tendo por cá episódios dignos de uma telenovela de gosto duvidoso, protagonizados na praça pública por "altos responsáveis" e em sucessivas comissões parlamentares de inquérito.

Na luta pelos dividendos políticos da aprovação do Presidente, haverá quem veja na decisão uma vitória partidária. A esses a própria mensagem de ontem de Marcelo deixa o aviso: "a política é muitas vezes a arte do possível; resta saber se o possível será suficiente." Ora, a responsabilidade desta arte política orçamental cabe ao Governo e à "união de facto" parlamentar que o sustenta. Correndo mal ou sendo insuficiente para cumprir as metas europeias e o objetivo de crescimento económico nacional (como hoje parece evidente que o será), terá de ser o Executivo de António Costa a dar a mão à palmatória.

Acabo de ler que "na próxima semana os termómetros sobem 10 graus e chegam aos 30".
Almeida Henriques opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)