Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

Mais de 100 mil milhões

A subida dos juros vai agravar o peso das despesas do Estado

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 14 de Maio de 2022 às 00:31
Pela primeira vez na História, o volume de despesa do Estado ultrapassou os 100 mil milhões de euros. Este marco foi atingido em 2021, ano em que os gastos chegaram aos 101,7 mil milhões, ou seja, um ‘per capita’ superior a 10 mil euros por cada cidadão residente.
Há a desculpa da pandemia, mas esse peso vai deixar marcas para o futuro. Em cada 100 euros de riqueza gerada no País, a despesa do Estado absorveu 48,1% e não se vê tendência de o peso baixar.
As remunerações da Função Pública são responsáveis por 24,8 mil milhões de euros, quase três mil milhões acima dos gastos de 2018, o que revela que a despesa da máquina do Estado aumenta sempre acima dos valores das atualizações salariais por causa das progressões na carreira.
Em tempo de juros muito baratos o montante da dívida pública exigiu mesmo assim mais de 5,1 mil milhões.
A subida de juros vai agravar a conta, e por causa da rigidez da despesa, desde salários, pensões e outros compromissos fixos, o monstro vai ensombrar a economia e os contribuintes.

Menos 350 euros
Segundo as contas do INE, o salário médio já está a perder 25 euros por mês por causa da inflação galopante. É provável que a erosão ainda aumente, o que significa que um salário médio vai perder mais de 350 euros este ano.
Estado economia negócios e finanças economia (geral)