O salário nu e cru

Armando Esteves Pereira

O salário nu e cru

O duodécimo dava a ilusão que a retenção na fonte não seria tão pesada.
  • 1
  • 22
O pagamento de metade do subsídio de férias e de Natal em duodécimos foi um truque criado no Orçamento do Estado de 2012 para mitigar o brutal aumento de impostos anunciado pelo então ministro das Finanças, Vítor Gaspar.

O duodécimo dava a ilusão que a retenção na fonte não seria tão pesada. No verão e no Natal os trabalhadores por conta de outrem já notavam a diferença.

Com o tempo, o duodécimo foi-se entranhado até que quinta-feira passada foi aprovada uma proposta no Orçamento que passa para a regra antiga. Subsídios de férias e de Natal por inteiro, mas em troca os trabalhadores ficam ao fim do mês sem uma parcela do rendimento líquido, de aproximadamente 8,3%.

Ao fim do ano não há diferença, mas na gestão mensal das famílias pode haver problemas de tesouraria com o salário nu e cru, porque apesar do ligeiro alívio do IRS e do fim da sobretaxa, os trabalhadores ainda pagam uma carga fiscal muito superior a 2011, o ano em que recebiam o salário sem duodécimo.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)