Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

Prejuízos e lavagens

Quem diz que o desastre do BES não vai custar nada aos contribuintes não sabe o que está a dizer, ou mente deliberadamente, talvez para evitar angústia nos cidadãos perante tantos crimes financeiros sem castigo.

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 21 de Outubro de 2014 às 00:30

Os danos do descalabro do Grupo Espírito Santo e da sua joia da coroa vão custar vários milhares de milhões à economia portuguesa.

Em Angola, dos 3,3 mil milhões de empréstimo e dos 700 milhões aplicados no capital do BESA, o Novo Banco só vai recuperar uma parte.

Muitos destes milhões desviados em Luanda foram branqueados cá, num país que se curvou perante a miragem dos petrokwanzas, desconhecendo que o dinheiro não vinha de um poço de petróleo, mas de uma torneira aberta por Ricardo Salgado.

BES contribuintes castigo crime Grupo Espírito Santo Angola Novo Banco Luanda Ricardo Salgado banca
Ver comentários