Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

Um papel inédito

Sem bestas negras, Portugal corre o risco de ser favorito.

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 16 de Junho de 2017 às 00:31
Aquele improvável e fantástico golo de Eder em Paris concretizou um sonho que acreditava ser impossível: ver a Seleção ganhar uma grande competição.

Sou da geração que viu os patrícios mostrar o seu perfume no Euro de 1984. Estivemos quase a ganhar à França de Platini. Ficaram as fintas de Chalana, os golos de Jordão e a dor de morrer na praia.

A sensação repete-se com uma das melhores equipas portuguesas de sempre, a do Euro 2000, aquela que num jogo memorável de Figo e Rui Costa e Nuno Gomes dá a volta a um mau começo com a Inglaterra. A mesma seleção que tinha uma versão B que esmagou a Alemanha, é afastada da glória pelos gauleses de Zidane.

Em 2004 assisti na Luz ao banho frio de um solitário golo grego. Se aquela equipa não conquistou em casa o troféu, a lei das probabilidades dizia que era quase impossível chegar à Taça.

Até que uma seleção mais modesta chegou à final em 2016 e um patinho feio marca o golo da redenção.

Agora estamos numa Taça das Confederações sem os tubarões. Nem Argentina, nem Brasil, Espanha, França ou Itália. Sem bestas negras, Portugal corre o risco de ser favorito. Um papel que raramente sabe desempenhar.
Eder Paris Seleção França Euro Jordão Platini Itália Chalana Figo Rui Costa Nuno Gomes
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)