"A TAP é minha"

Baptista-Bastos

"A TAP é minha"

A TAP é um estado d’alma, uma emoção, um pequeno orgulho e a módica vaidade que nos resta.
  • 9
  • 0
Por Baptista-Bastos|17.12.14
  • partilhe
  • 0
  • 9
"A TAP é minha"

Um senhor do Governo veio dizer--nos que a privatização da TAP estava prevista desde o começo desta legislatura. O senhor do Governo (eles são tantos, que se torna difícil decorar-lhes os nomes) tem olhos de peixe morto e voz compulsiva: isto para melhor o identificar. Os protestos da Oposição atingiram a zona do confronto verbal mais tempestuoso. Desde "traição" ao abandono das nossas grandes empresas ao "capital financeiro multinacional", ouviu-se de tudo. A paixão sublinhou as intervenções, percebendo-se que a TAP não é assunto neutro, nem, apenas, mais uma companhia entregue à voracidade da ‘globalização’ que tem beneficiado, unicamente, os grandes interesses.

A ‘globalização’, aliás, não é, só, o prolongamento do capitalismo; é a imposição de uma alternativa de contra-governo; seja: a ausência de decisões nacionais, em favor de uma ordenança específica. Os governos ficariam desprovidos das possibilidades de escolha, regulados pelas leis do mercado, afinal comandados pela alta finança. E a União Europeia mais não é do que uma hipótese da continuidade das ideias que formaram este poder absorvente que nos submete com absorção. A privatização da TAP pertence a esse projecto de controlo global. O Governo fala da inevitabilidade da venda. António Costa, por exemplo, entre muitos mais, desmente essa inevitabilidade, agitando o princípio de que a TAP é uma companhia "de bandeira", definição assaz enigmática. Viajei, durante toda a vida, com aquela companhia, possuo um indisfarçável sentimento de posse, sei o que ela representa para os portugueses lá de fora. A TAP não é unicamente uma empresa vendível ao sabor das circunstâncias, um negócio banal: é um estado d’alma, uma emoção, um pequeno orgulho e a módica vaidade que nos resta.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De  Anónimo 17.12.14
    A TAP também é minha! Como contribuinte, descontei durante décadas para pagar o passivo da Companhia! É minha, sim, e não exigo em troca nada, como um vencimento muito acima da média, seguro de saúde grátis, viagens à borla, descontos em hotéis de 4 e 5 estrelas... Apenas estou farto de suportar como contribuinte os vícios de empresas sustentadas pelo Estado.
4 Comentários
  • De ZeMoca17.12.14
    Ai a TAP e tua? entao vende-a e assina a escritura que ficas RICO!!
    Responder
     
     -3
    !
  • De nevespinto17.12.14
    Não sabemos como a TAP,com um passivo assustador,vai,dizem,ser vendida a privados! Será que os privados fazem milagres ou estarão a contar com subsídios do Governo,pagos por todos nós? ... Com as greves,os trabalhadores não ganham e não há consumo de combustível . Porquê tanto prejuízo? Pelos vistos,a TAP será vendida a custo zero e ainda teremos que pagar!...Uma vergonha!...
    Responder
     
     -2
    !
  • De troika17.12.14
    Ai a TAP também é minha? Então quero um salário proporcional aos meus colegas que lá trabalham (pilotos, hospedeiras, etc...) e viagens de borla pelo menos uma vez por ano, mesmo sem prejudicar outros clientes que pagam as minhas regalias, ok? Se assim for gritarei que a TAP é minha. eh eh eh
    Responder
     
     0
    !
  • De  Anónimo 17.12.14
    A TAP também é minha! Como contribuinte, descontei durante décadas para pagar o passivo da Companhia! É minha, sim, e não exigo em troca nada, como um vencimento muito acima da média, seguro de saúde grátis, viagens à borla, descontos em hotéis de 4 e 5 estrelas... Apenas estou farto de suportar como contribuinte os vícios de empresas sustentadas pelo Estado.
    Responder
     
     2
    !

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)