Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Boss AC

Eu voto

Não abdico do meu direito de votar e exercer o meu direito enquanto cidadão.

Boss AC 4 de Outubro de 2015 às 00:30
Hoje é dia de eleições para a Assembleia da República. Quem será o novo primeiro-ministro e formará governo? Veremos...

É difícil acreditar em campanhas e programas eleitorais, sabendo que depois de eleitos os partidos tendem a tomar medidas, muitas vezes, completamente opostas das que defendiam antes da eleição.

A julgar pelas eleições anteriores e pelas intenções de voto, é normal que, mais uma vez, os números das abstenções sejam elevados. Quem ganha com isso? A luta nas urnas, entre os partidos grandes e os partidos pequenos que não têm as máquinas partidárias poderosas nem os mesmos meios disponíveis, é desequilibrada. E o poder parece um jogo de ping-pong. Agora eu, depois tu.

Há um grande descrédito pela classe política e muitos veem na abstenção uma forma de protesto. Acontece que os argumentos de serem todos uns "ladrões" e uns "corruptos" de nada servem se depois esse descontentamento não for traduzido na hora de votar.

Se a decisão for não votar, que seja uma decisão consciente. Consciente dos prós e dos contras dessa decisão porque a abstenção é deixar que sejam os outros a decidir por nós.

Se em 10 pessoas apenas votarem 3, são essas 3 pessoas que decidem e as outras 7 terão de aceitar essa decisão. Será correcto esse sistema? Não sei. Mas ilustra bem o poder que a abstenção tem: perpetua o "mais do mesmo" e beneficia os partidos com mais militantes e que, à partida, têm esses votos garantidos. Querem sangue novo? Elejam-no!

Ontem ouvi uma senhora dizer, a propósito de um dos candidatos: "Não sei porquê, mas não vou com a cara dele. Não me inspira confiança."

Pergunto: quais são os critérios que levam as pessoas a votar em A ou em B? Será que as pessoas conhecem os respectivos programas eleitorais e as intenções dos candidatos? Ou as eleições são um concurso de misses em que se vota no mais bonito e simpático?

Toda a gente sabe o que é melhor para o país mas depois, no dia de votar, todas as desculpas servem para não se ir votar: ou é porque "está calor e vamos para a praia, ou porque "está a chover e não me quero constipar", ou porque "não vai mudar nada", ou porque...

Somos nós que nos abstemos e somos nós que os elegemos e, quando as coisas correm mal, não podemos dizer que a culpa é só "deles". A culpa também é nossa. E é por essa razão que eu não abdico de votar e exercer o meu dever e direito enquanto cidadão. Eu não quero que ninguém decida por mim. Eu voto.
Boss AC Assembleia da República eleições legislativas Governo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)