Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Bruno Figueiredo

Cartão de visita

ASAE sem recursos humanos para se ocupar dos prevaricadores.

Bruno Figueiredo 21 de Agosto de 2017 às 00:30
Anualmente, dezenas de taxistas são detidos em Lisboa por especulação. Só no último ano e meio foram detidos quarenta e oito.

O contacto com as vítimas, normalmente turistas, ocorre no aeroporto de Lisboa, transformando esta burla num cartão de visita à cidade.

A força e alcance das redes sociais viu-se recentemente no caso do "Made in Correeiros". Após ampla divulgação e partilha, a sua esplanada vazia passou a contrastar com a esplanada cheia do restaurante vizinho. Mas se aí tínhamos um agente económico devidamente identificado, no caso dos taxistas isso não sucede.

A tendência será sempre a generalização, agravando o enorme estigma social que estes profissionais já carregam e denegrindo a própria imagem do país, com consequências gravosas para o turismo.

A investigação dos crimes contra a economia, entre os quais o de especulação, são do foro específico da ASAE. Contudo, a escassez de recursos humanos e o leque de competências alargado que o Estado lhe atribui, impedem que este OPC devote a necessária atenção ao fenómeno.

E perante a incapacidade de resposta da ASAE, é a PSP, afastada da sua missão de segurança interna, que se vai ocupando dos prevaricadores.
Bruno Figueiredo opinião
Ver comentários