Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Bruno Figueiredo

O caminho mais fácil

A corrupção justifica-se com a falta de caráter e de formação.

Bruno Figueiredo 18 de Abril de 2016 às 01:45
Vai sendo vulgar a corrupção abrir os noticiários. É um sinal negativo para a confiança nas instituições, mas um sinal positivo para a confiança na investigação criminal. É imperioso que não se generalize. Os que se servem das instituições são uma gota de água no oceano comparativamente àqueles que as servem.

A corrupção não encontra justificação nos baixos salários ou na quebra de rendimentos. Justifica-se com a falta de caráter, de formação, de patriotismo e de cidadania.

Dizer o contrário é afirmar que todos os pobres são sujos e que todos os ricos são íntegros. Pois atentemos nos atuais rostos da corrupção, dos que se vendem a si próprios, vendendo a sorte dos outros e o futuro do país. Onde os enquadramos socialmente?

Os baixos salários e a quebra de rendimentos são motivo de contestação. São um foco de desmotivação e conduzem à ineficácia das instituições.
A corrupção ainda não chegou à ASAE. No último sábado, 30 inspetores estiveram a realizar provas para a Autoridade das Condições do Trabalho. Desmotivados, tentam abandonar o organismo que há muito os abandonou, procurando, assim, melhores salários. Têm princípios. Não seguem o caminho mais fácil!
Autoridade das Condições do Trabalho ASAE inspetores
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)