Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Anjos

Pecar por defeito

Em casos de dúvida as crianças devem ser retiradas aos pais sob suspeita.

Carlos Anjos 29 de Setembro de 2017 às 00:30
Nos últimos oito dias morreram três crianças, tragédia agravada num país com uma taxa de natalidade tão baixa. João Maria, de 7 anos, foi abandonado à sua sorte no 3.º andar de um prédio na Guarda. Na sua inquietude, caiu da varanda e morreu. Fala-se de que seria vítima de maus-tratos e de abandono, razão pela qual uma tia apresentou uma queixa-crime, requerendo a guarda da criança.

Um juiz ou um procurador, que sabem de leis, arquivou o processo por falta de provas. Provavelmente tinha razão. Mas com provas ou sem elas, sabemos que o pai do João Maria, um sargento da GNR, se suicidou há cerca de um ano. A mãe passava parte do tempo alcoolizada. E o irmão mais velho, com pouco mais de 20 anos, tinha problemas de toxicodependência, estando em recuperação.

Será que alguém pensou no João Maria?

Correndo o risco de ser apelidado de securitário, continuo a pensar que aquilo que deve ser defendido é o superior interesse da criança e que, em caso de dúvida, as crianças devem ser retiradas aos pais, ainda que temporariamente, para se aquilatar se têm ou não condições para cuidar delas.

Enquanto não assumirmos isto, vamos andar a chorar lágrimas de crocodilo, não fazendo nada por essas crianças.
João Maria juiz Guarda sargento da GNR procurador irmão questões sociais sociedade (geral)
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)