Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Carlos Rodrigues

O valor absoluto da notícia

Opinião publicada no suplemento especial do aniversário dos 36 anos do Correio da Manhã, publicado com a edição do jornal de dia 19 de março.

Carlos Rodrigues(carlosrodrigues@cmjornal.pt) 19 de Março de 2015 às 11:27

O nascimento da CMTV é o acontecimento mais importante da década na comunicação social portuguesa.

Seria natural que o Correio da Manhã, líder avassalador de mercado, decidisse acomodar-se. Em vez disso, acarinhou o desígnio de fazer mais e melhor. Ao fundar uma televisão, o CM enriqueceu a democracia, aprofundou a liberdade e abriu horizontes a uma nova geração de jornalistas – a geração CMTV.

Subitamente, a televisão abandonou as paisagens neutras, os hemiciclos e o meio restrito das elites, e passou a mostrar os casebres da miséria e a vida dos famosos, a pobreza oculta pelas colinas turísticas e o sotaque das regiões, os amores e os ódios, o grande plano da dor desfocado pelas panorâmicas estatísticas, a violência doméstica tantas vezes assassina. Novas linguagens reportam novas realidades, denunciadas sem medo nem preconceitos. Jornalismo de investigação que não teme os dossiês mais escaldantes, informação que não se verga perante os poderes. Porque a geração CMTV assume a essência do estatuto editorial do CM, que determina o "valor absoluto da notícia".

Completam-se agora 2 anos sobre o início desta revolução na forma como Portugal olha para si mesmo: um Portugal real, nu e cru, em direto, moderno sem romantismos, que se revê na televisão e descobre as verdadeiras razões para sermos todos uma nação, madura de mais de 900 anos. Portugal como nunca o viu.  

Ver comentários