Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Cabrita

Palmira e Nós

Nos Açores o ‘mordomo’ Durão Barroso abriu o caminho para o fim de Palmira.

Eduardo Cabrita 23 de Maio de 2015 às 00:30

Ontem na primeira página do ‘Le Monde’, do ‘Wall Street Journal’, do ‘La Repubblica’ e de muitos outros jornais internacionais estava uma imagem de uma cidade magnífica resplandecente ao Sol no meio do deserto. A foto era de Palmira, uma espantosa cidade-Estado no modelo grego, que foi local de encontro de culturas e entreposto essencial das caravanas que percorriam a rota da seda. Conquistada pelo romanos, chegou a ter uma resistente rainha Septímia Zenóbia a ser exibida em desfile majestoso em Roma como símbolo dos êxitos orientais do Império.

Palmira, na sua imponência, foi sempre orgulho multicultural de aramaicos, assírios, persas e árabes. Sobreviveu a séculos de Islão tolerante, mas está na iminência de desaparecer sob o fascismo medieval do chamado Estado islâmico, que está a devorar o Iraque e a Síria, tornados irrelevantes perante o desinteresse hipócrita do Ocidente.

Não sei por quanto tempo Palmira existirá e com ela morreremos todos um pouco. Em Portugal, o tema foi tratado como mais um episódio de um conflito permanente em paragens exóticas e sempre beligerantes. Os jornais estavam mais preocupados com os energúmenos paisanos ou fardados que acham que o futebol nacional é o maior
expoente da civilização, como aliás parece resultar da overdose de horas de emissão dada por todos os canais de informação com múltiplos comentadores e especialistas.

Quando Durão Barroso foi mordomo da Cimeira da Guerra do Iraque nos Açores, o caminho para o fim de Palmira foi aberto. A intervenção de vistas curtas na Líbia abriu o buraco negro em que prosperam as máfias que arrastam milhares de vítimas da miséria para a morte no Mediterrâneo. O atoleiro sírio está a conduzir o Ocidente à trágica ironia de ter como único aliado eficaz para travar o ISIS o Irão dos aiatolás.

Mas em Bruxelas, e para os talibãs da austeridade do Governo português, o grande problema é o dever de vergar a ousadia heterodoxa dos gregos e a urgência em acabar com a TAP contra tudo e contra todos.

A nossa riqueza é a de sermos filhos de Roma e do Al-Andalus que há seis séculos nos lançámos ao mar de Ceuta até Nagasaki. A nossa cabeça é greco-romana, mas o nosso coração é árabe e o nosso destino partir Mundo fora. Palmira, chamada a Veneza do deserto, somos todos nós.

Le Monde Wall Street Journal La Repubblica Palmira Septímia Zenóbia Roma Iraque Síria Portugal Durão Barroso
Ver comentários