Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Cintra Torres

Não sejas estrangeira

Paris, sê Paris, por favor Paris, sê Paris.

Eduardo Cintra Torres 11 de Junho de 2016 às 00:30
A cerimónia de abertura do Euro mostrou uma França que já desistiu de "faire la différence". À parte o chão simulando um jardim como se Versalhes e umas curtas referências a Edith Piaf e ao cancan, o espectáculo centrou-se no DJ francês, mas galáctico, David Guetta, falando em inglês e pondo música anglo-americana, e na cantora sueca do "hino" do Euro, em inglês. O pequeno espectáculo, desengonçado, desenxabido e modesto, terminou com uma Torre Eiffel de plástico.

É a França a pedir para ser amada por ser como os outros, rendida à cultura dominante anglo-americana. Eu amo a França assim ou assado, orgulhosa ou cabisbaixa, patriótica ou assim derrotada pela cultura dominante. Mas tenho saudades de um futuro com uma França mais francesa.
França Versalhes Edith Piaf David Guetta Torre Eiffel questões sociais artes cultura e entretenimento
Ver comentários