Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Eduardo Dâmaso

O poder de Soares

Soares conquistou um lugar na história e outro na eternidade.

Eduardo Dâmaso(eduardodamaso@sabado.cofina.pt) 9 de Janeiro de 2017 às 01:47
A soma de adversários logo após o 25 de Abril não foi pequena. Primeiro, o maior de todos: Álvaro Cunhal. Depois do abraço inicial em Santa Apolónia, logo se instalaram as distâncias.

O choque com Spínola veio a seguir. Chegaram os dias do PREC e para Soares a arrelia de ter de lutar também contra Otelo, que admirava por ser o rosto do golpe que devolvera a liberdade. A todos venceu.

Na vitória do 25 de Novembro de 1975 um novo adversário emergiu. Ramalho Eanes atravessou-se no caminho de Soares mas este logo lhe colou uma insidiosa sombra de peronismo retardado. Viria a derrotá-lo também, derrotando Salgado Zenha, candidatura presidencial inspirada pelo eanismo e uma das suas mais amargas ruturas.

A vida política de Soares foi sempre esta caminhada de superação de fasquias e adversários, fora e dentro do PS. Nesse combate, nunca aspirou à perfeição e cometeu muitos erros. Afastou velhos companheiros que se tornaram incómodos, como Rui Mateus, cometeu erros.

Sempre a par da tolerância, que lhe abriu o caminho da reconciliação com praticamente todos os seus adversários. Mesmo com Cunhal, nunca escondeu a admiração que nutria por ele.

Na política nunca cavou trincheiras sem recuo. Soube sempre separar o essencial do acessório e seguir a intuição. Esse foi o seu grande poder. Por isso conquistou um lugar na história e outro na eternidade.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)