Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernando Calado Rodrigues

Crítica da Finança

Para corrigir os desvarios é decisivo combater o “capitalismo criminoso”

Fernando Calado Rodrigues 3 de Abril de 2015 às 00:30

O Secretário de Estado do Vaticano e o Presidente do Senado Italiano uniram as suas vozes na crítica ao sistema económico vigente, que promove a exploração dos mais fracos e a promiscuidade ente a finança e o poder, durante a apresentação de um volume da revista italiana ‘Limes’, dedicada ao tema "Moeda e império", na passada terça-feira em Roma.

O cardeal Parolin denunciou que "os grandes capitais tendem a financiar os poderes estabelecidos e as atividades mais rentáveis", enquanto o povo se vê arredado do acesso ao crédito.

O senador Pietro Grasso recordou o discurso do Papa ao Parlamento Europeu e a sua Exortação Apostólica "Evangelii Gaudium", na qual critica a "economia capitalista global dominada pelos poderes financeiros" que subordina ao lucro valores como o da dignidade humana, da democracia e da solidariedade. Em sintonia com o Papa defendeu uma recuperação da "economia real" que produza "bens e valores tangíveis".

Também devem ser subtraídas à lógica do lucro as "empresas de caráter estratégico, que satisfaçam necessidades sociais primárias" e deve-se "reafirmar o seu papel público". Finalmente, para este magistrado italiano, é preciso reorientar "o fim último da produção", que deve partir "da pessoa humana, das suas necessidades e das suas expectativas".

Para corrigir os desvarios do atual sistema económico é decisivo, segundo o líder do Senado, o empenhamento na luta contra a corrupção e o que apelida de "capitalismo criminoso" que acolhe "sem escrúpulos" capitais "sem olhar às suas origens". Que "não distingue o dinheiro que vem do trabalho, do engenho, da produção ou do empenho, do dinheiro de origem oculta, que resulta do crime, da exploração dos pobres ou o dinheiro de sangue". Segundo o senador, o sistema económico deve ser reorientado para "o fim único de combater a pobreza e a miséria em coerência com o valor da solidariedade humana e cristã, da misericórdia, destinando os lucros a ajudar os últimos, os fracos, os marginalizados".

Pietro Grasso apelou a "um verdadeiro sobressalto ético da sociedade civil e da política que imponha aos Estados novas linguagens e novos modelos de relacionamento fundeados, não nos interesses, mas nos princípios e valores".

Já agora, que resgatasse igualmente a política da subserviência à finança!

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)