Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernando Calado Rodrigues

O fundamentalismo

Presumo que ódio seja uma conceção distorcida dos ensinamentos de Maomé.

Fernando Calado Rodrigues 9 de Janeiro de 2015 às 00:30

O Papa Francisco condenou o atentado em Paris e classificou-o como "abominável, jamais justificável". Para um crente, e sobretudo para um cristão, este atentado é ainda mais execrável porque é pretensamente cometido em nome de Deus e de uma fé que condena à morte os que pensam e são diferentes de nós.

A epístola de S. João diz claramente que, "se alguém disser: ‘Eu amo a Deus’, mas tiver ódio ao seu irmão, esse é um mentiroso; pois aquele que não ama o seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê" (1 Jo. 4, 20). Os fundamentalistas, mesmo dentro do catolicismo, colocam fora da fraternidade universal os não crentes. Irmão é só o que acredita, ou, no nosso caso, o batizado.

Na verdade, porém, Jesus Cristo sintetizou toda a Lei num único mandamento: o amor a Deus e ao próximo. Propositadamente, na parábola que ilustra o amor ao próximo, coloca um samaritano a prestar auxílio a um judeu. Ou seja o amor ao próximo vence as barreiras do preconceito, das rivalidades e dos ódios religiosos. Deve mesmo abarcar os inimigos. "Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem" (Mt. 5, 43-44).

Contudo, e apesar do que está escrito, também se matou e continua a matar em nome de uma errónea conceção da fé cristã. Continua a matar-se porque, para Jesus, matar não é só tirar a vida, mas irar-se contra o outro (Mt. 5, 22). Basta percorrer as redes sociais para se constatar tanto ódio que é destilado por católicos fundamentalistas para com os que põem em questão o que eles consideram a doutrina ortodoxa e imutável.

Presumo que o ódio, e a execução dos que pensam diferente de nós, também não seja o verdadeiro Islão, mas uma conceção distorcida dos ensinamentos do profeta Maomé.

O Papa Francisco, há um mês, na visita à Turquia, apelou aos líderes políticos, religiosos e académicos que professam a fé em Alá que condenem a violência e digam claramente: "Isto não é o Islamismo".

Já alguns o têm feito. E, no rescaldo deste ignóbil atentado contra a liberdade de expressão, vários o têm feito com clareza. Pena é que dificilmente serão ouvidos, porque quem se deixa aprisionar pelo fundamentalismo não consegue ouvir ninguém.

Francisco Paris S. João Jesus Cristo Turquia religião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)