Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernando Sobral

Ganhar contra todos

Líder portista sabe que o clube terá de ganhar tudo nesta época.

Fernando Sobral 25 de Julho de 2015 às 00:30
Há algo com que Pinto da Costa, nas décadas que tem estado à frente do FC Porto, nunca conviveu muito bem: as derrotas. Quando chegou à liderança dos dragões impôs um estilo e uma convicção: era possível vencer sempre e domar os clubes de Lisboa.

Pensou e fez. Nestas últimas décadas, Benfica e Sporting nada puderam fazer para pôr em causa a hegemonia do FC Porto. Ganhavam, às vezes. Mas era apenas um tónico passageiro, para não desistirem. A entrevista que Pinto da Costa deu ao ‘El País’ mostra que há uma ameaça ao jogo de tronos em que tem sido rei e senhor. O Benfica parece-se agora demasiado com Iznogoud, o grão-vizir da banda desenhada que quer ser califa no lugar do califa. E Pinto da Costa tem sido o califa do futebol português. Vê, pela primeira vez, um perigo a sério. O Benfica ameaça quebrar o domínio absoluto do FC Porto no futebol nacional. Venceu duas vezes seguidas a Liga, algo impensável até há pouco tempo, e mesmo com a saída de Jorge Jesus é uma ameaça. Não admira que, para driblar a questão de Julen Lopetegui não ter ganho nada no seu primeiro ano no Dragão, tenha respondido com um ataque à honestidade do futebol nacional: "Na Liga, um estudo sobre arbitragem demonstrou que o Benfica foi favorecido com 7 pontos." Ou seja: Lopetegui não perdeu; os árbitros é que deram a vitória ao Benfica.

O mote está assim dado: para travar o Benfica, Pinto da Costa vai desenterrar todos os fantasmas que, no passado, deram resultado: os árbitros (daí a aliança com Bruno de Carvalho por causa do sorteio na arbitragem) e o controlo de quem manda no futebol (por isso quer trocar Luís Duque por Pedro Proença). Tudo servirá para derrotar o Benfica, mesmo que para isso tenha de motivar uma santa aliança com Bruno de Carvalho e quem tiver disponível. O FC Porto põe o dinheiro e Lopetegui forja uma equipa campeã. Nunca se viu nada assim no Dragão. Há craques em todas as posições. O guarda-redes Iker Casillas é, claro, a cereja no topo do bolo: um golpe de marketing que vai colocar todos os holofotes europeus a incidir sobre o FC Porto. Esta época não há desculpas. Porque, com esta equipa, ninguém acreditará no peso dos árbitros.
Ver comentários