Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Fernando Sobral

O navio

Brian Eno é, há muito, o homem do leme do grande som global.

Fernando Sobral 21 de Maio de 2016 às 01:45
Brian Eno é, há muito, o homem do leme do grande som global. A sua história (das ligações a David Bowie ou David Byrne à exploração de novos sons e passando pela produção de discos ou a criação para cinema ou dança) fala por si.

A sua influência é de tal maneira extensa que dificilmente não pode ser definido como um dos criadores mais importantes das últimas décadas. O seu regresso, com o empolgante álbum ‘The Ship’, é um dos grandes momentos deste ano.

Não é um disco fácil, mas é envolvente e vai mostrando os seus inúmeros segredos aos poucos. É como um barco em mar alto que navega ao sabor das marés e dos ventos. Brian Eno vai buscar toda a textura criativa deste disco à história: sobretudo à do ‘Titanic’ e da Primeira Guerra Mundial.

Um dos grandes temas do disco, ‘The Hour is Thin’, um poema declamado por Peter Serafinowicz, tem a ver com uma conexão que fascina Brian Eno: o da relação entre o poder e a vulnerabilidade. Eno lembra que o ‘Titanic’ representa uma era em que os impérios tinham atingido um nível de poder, confiança e arrogância, que os levava a pensar que nada era impossível. E o mesmo aconteceu com a Primeira Guerra Mundial.

Eno compara esse período com o dos Estados Unidos após o 11 de Setembro: um império atingido na sua vulnerabilidade. E é isso que está presente neste disco, um sucedâneo de outros álbuns conceptuais como o incontornável ‘Taking Tiger Mountain’, de 1974. ‘The Ship’ é um disco que vai marcar 2016. Porque é uma viagem, cheia de reflexões, à tecnologia musical e à criação de ambientes, algo que sempre fascinou Eno.
Brian Eno David Bowie David Byrne Primeira Guerra Mundial Estados Unidos 11 de Setembro música
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)