Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco J. Gonçalves

Como perder a Catalunha

O primeiro-ministro espanhol tem tido o raro e duvidoso mérito de fazer a coisa errada na hora errada, pelas razões certas.

Francisco J. Gonçalves 18 de Outubro de 2017 às 00:30
O primeiro-ministro espanhol tem tido o raro e duvidoso mérito de fazer a coisa errada na hora errada, pelas razões certas. É assim que tem gerido o desafio separatista da Catalunha.

Obcecado com o facto de ter razão, Mariano Rajoy quer impor essa razão à força a uma região onde milhões de pessoas desprezam Espanha justamente por considerarem o poder de Madrid sobranceiro e autoritário.

Ao recorrer aos tribunais e mandar a polícia para a rua, para impedir o referendo ilegal e prender os que com ele colaboraram, Rajoy pode ter toda a razão do mundo, mas está a dar razões aos outros milhões que na Catalunha ainda não são separatistas para passarem a sê-lo.

Os bons líderes não são os que se impõem ‘doa a quem doer’, são os que sabem quando a autoridade que emana das leis, e que eles exercem em nome delas, não chega para manter a ordem pública sem moderação que a tempere.

A Catalunha é Espanha e poderá continuar a ser Espanha nas próximas décadas. Mas, se os governos de Madrid mantiverem esta linha de rumo, a Catalunha ficará, mas não como parte de um país unido.

Será mais como o braço amputado de um corpo que ainda não percebeu que ele já lá não está.
Francisco José Gonçalves opinião
Ver comentários