Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

O romance que José Saramago deixou inacabado, ‘Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas’, que ontem foi largamente comentado e festejado, pode ser lido como uma parte do testamento do escritor sobre a perversidade destes tempos.

Francisco José Viegas 3 de Outubro de 2014 às 00:30

Podemos imaginar o personagem Artur Paz Semedo, que lembra o revisor de ‘História do Cerco de Lisboa’ pela sua simplicidade e argúcia (e sabemos como é tão importante esse livro), a investigar essa perversidade. A indústria do armamento e a forma como se alimenta da degradação da espécie humana – e do seu menosprezo – são mais do que uma metáfora para usar em literatura. A barbárie anda à solta, silenciosa umas vezes, ruidosa de outras, e essa indústria comanda eleições, falências, fortunas, corrupção, crises, êxitos estrondosos e telejornais manchados pela nossa vergonha em ver o mais simples, como Saramago nunca se cansou de lembrar – que todos estamos em risco de vida.

Citação do dia

"Nos negócios militares, nas PPP, nas concessões e adjudicações as luvas sempre aparecem"

Eduardo Dâmaso, ontem, no CM

Sugestão do dia

Ontem, Simona Cattabiani apresentou a sua nova chancela do grupo Presença, a Jacarandá. ‘House of Cards’, de Michael Dobbs (diretamente da série de TV homónima), é uma delas - e chega às livrarias para nosso deleite.

Artur Paz Semedo História do Cerco de Lisboa Saramago Eduardo Dâmaso Simona Cattabiani Michael Dobbs
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)