Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

Um grupo alegadamente composto por senhoras (estavam disfarçadas, como no Carnaval) invadiu uma barbearia lisboeta que não admite frequência feminina.

Francisco José Viegas 25 de Fevereiro de 2015 às 00:30

Fê-lo em protesto, com estardalhaço, como se fosse um combate feminista.

Ora, a barbearia (não o "cabeleireiro de homens", essa tropelia) é um dos últimos redutos do homem de antanho, um lugar onde se folheiam jornais, se fala em liberdade, se trata de assuntos masculinos – e onde senhora não entra. Há quem não perceba isto e ache que se trata de discriminação. Não é (também há lugares onde homem não entra). Nós, homens, confiávamos nos barbeiros de antigamente. Conheciam-nos e depositávamos neles uma confiança de confessionário, quase sempre retribuída. O meu barbeiro é um refúgio. Um homem não vai ao barbeiro apenas para cortar o cabelo. Vai – porque é homem.

Citação do dia

"Sendo [‘50 Sombras de Grey’] apenas uma coacção do marketing e dos media, não obrigado."

Eduardo Cintra Torres, ontem, no CM. 

Sugestão do dia

A história de ‘O Miniaturista’, de Jessie Burton (Presença), relembra ‘Rapariga com Brinco de Pérola’, sim – é todo ele um ‘thriller’ histórico, raríssimo, comovente. Quem não se apaixona por Nella Oortman? 

Eduardo Cintra Torres O Miniaturista Jessie Burton Nella Oortman questões sociais invasão barbearia
Ver comentários