Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

As canções continuam a ser refúgio para almas inquietas, bem escritas, em homenagem à própria poesia.

Francisco José Viegas 18 de Outubro de 2016 às 01:45
Prossegue – a um ritmo cada vez mais desiludido – o burburinho em torno da atribuição do Nobel da Literatura a Bob Dylan. Como já aqui escrevi, foi saudável o facto de meio mundo literário ter ficado chocado com a ideia. Almas poderosas, cheias de advérbios e certezas literárias, manifestaram a sua tristeza de forma escandalizada.

É o costume: em primeiro lugar, a família – responder à quota étnica, acomodar questões de género ou a luta contra as injustiças do mundo, a par de uma certa solenidade de pé de chumbo. A falar verdade, nada disso me comoveu.

Aliás, no fim de semana, a cada argumento anti-Dylan, cheio de calculismo e vaidade dissimulada, cresceu mais a ideia de que foi justíssima a sua atribuição. Com vantagens: Dylan não apareceu a dizer inanidades sobre literatura, nem a consagrar-se como guru das letras, nem a falar de tudo e de nada, como numa ‘flash-interview’ de escritores. Só isso já me deixou descansado.

As canções continuam a ser refúgio para almas inquietas, bem escritas, em homenagem à própria poesia. Eu sei, queriam parlapié – desta vez não foram a correr salvar o mundo.

América
Humor, acidez , inquietação e melancolia gasta: ‘Cheio de Vida’ (Alfaguara), de John Fante, é uma história familiar delirante e extravagante que prevê derrocada da América e do seu ideário de sucesso. A ler!
Nobel da Literatura Bob Dylan poesia música
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)