Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

Acabo de ler um livro de dois grandes especialistas do MIT em robótica e ‘máquinas de leitura’.

Francisco José Viegas 30 de Março de 2017 às 00:30
Acabo de ler um livro de dois grandes especialistas do MIT em robótica e ‘máquinas de leitura’, delambidos com os livros digitais e defendendo que a era do ‘livro imóvel’ terminou.

Colocando em rede o nosso aparelho e ligando-nos a outros leitores, podemos partilhar notas e comentários, além de ver que sublinhados foram por leitores do Alasca, sem falar de os nossos serem vistos por outros leitores cuja existência e amizade poderíamos dispensar.

Além disso, Brynjolfsson e McAfee, festejam a ‘fluidez’ do e-book porque, ao contrário do livro em papel, o e-book pode ter uma edição semanal ou mensal, consoante o catavento do autor, que o "atualiza" sempre que lhe der na veneta, ou ceder às sugestões da vasta assembleia de leitores.

Para quem pensava que o livro era um monumento delicado, solitário e destinado às melhores horas de isolamento (o "prazer difícil", de que falava Harold Bloom), eis que os pantomineiros da "leitura digital" nos dizem que podemos mudar o guarda-roupa da Senhora Condessa de Gouvarinho ou rapar o bigode aos personagens de Camilo.
MIT Camilo Alasca McAfee Brynjolfsson Senhora Condessa de Gouvarinho Harold Bloom literatura
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)