Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

Lembro-me bem do tempo em que os intelectuais evitavam falar de comida.

Francisco José Viegas 5 de Abril de 2017 às 00:30
Lembro-me bem do tempo em que os intelectuais, por exemplo, evitavam falar de comida - um assunto que sujava os dedos (ao longo da vida conheci gente que desprezava ostensivamente assuntos de comida e que garantia que se devia "comer para viver e não viver para comer", o que é uma trafulhice). Na década de 80, inclusive, vendiam-se apartamentos sem cozinha. O mundo mudou; hoje a comida transformou-se numa obsessão: ou com dietistas que possuem a fórmula mágica da saúde eterna, ou com a avalanche de loucuras ‘gourmet’, ovas de caracol, festivais de comida, ‘showcooking’, festas de ‘street food’, cursos de cozinha, mostras de cogumelos ou tofu, delírio com sushi, a moda das sopas orientais, ‘ramen’, ‘souping’, ‘hibachi’, bebidas à base de carvão, abacate, etc., etc. Por instantes, eu - que cozinho todos os dias, e gosto - tive saudades de outro tempo. Havia comida. Havia cozinheiros. Gostávamos do que gostávamos. Procurávamos produtos naturais que não eram "biológicos". E comer era simples como viver. Exceto para gente palerma, ontem e hoje.

Citação do dia
"Terá o aparelho de Estado medo dos energúmenos que agridem árbitros?"
Carlos Rodrigues, ontem, no CM

Sugestão do dia
NUNO JÚDICE - Regressa com um belíssimo livro de poemas, ‘O Mito da Europa’ (D. Quixote): "Trabalhei a arte do relâmpago, arrancando/as suas pontas ao céu." Salvo erro, é Nuno Júdice no melhor de sempre.
Francisco José Viegas opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)