Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

O Bloco de Esquerda não se opõe à "tolerância de ponto".

Francisco José Viegas 28 de Abril de 2017 às 00:30
O Bloco de Esquerda não se opõe à "tolerância de ponto" para a função pública na sexta-feira, 12 de maio, por ocasião da visita do Papa. Por um motivo essencial: porque se trata da "competência exclusiva do governo" e nisso o Bloco não se mete, e não se opõe – posição muito diferente da que tomou há sete anos, quando houve dois dias de "tolerância de ponto" por ocasião idêntica.

Sete anos mudam muito na vida de um partido e a lista das piruetas do Bloco é extravagante mas inteligente, de acordo com as sábias palavras do dr. J. Miguel Júdice, que acha que as piruetas são a essência da política e que os bons políticos mentem primorosamente.

Ainda a "tolerância de ponto": acontece que os portugueses que não trabalham para o Estado não têm essa graça concedida – mesmo fazendo prova de que são católicos. Compreende-se, devem existir razões de logística: no trânsito, nas ‘acessibilidades’, no sistema policial, na relação com a Igreja ou com os muitos eleitores da função pública, a quem aproveito para saudar por ocasião da melhoria das condições meteorológicas durante esse fim de semana.

------

Citação do dia: O PCP vê a realidade em função do que se congemina no Comité Central, Paulo Fonte ontem, no CM

Sugestão do dia: Faulkner 

Trata-se do único ‘livro infantil’ escrito por William Faulkner e tem a marca do seu génio e imaginação. ‘A Árvore dos Desejos’ (na Ponto de Fuga) foi publicada em 1964, dois anos depois da morte do autor.
Ver comentários