Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

Roger Moore era mestre numa grande escola de cavalheiros.

Francisco José Viegas 24 de Maio de 2017 às 00:30
Roger Moore (1927- -2017) sabia que era "apenas Roger Moore" – isso não o incomodava. Ou seja, sabia que ia passar à história do cinema como Simon Templar (‘O Santo’) ou como James Bond, os dois personagens que interpretou com humor e desprendimento.

Era "o inglesinho elegante" em quem o ‘smoking’ branco assentava bem, que sabia levantar a sobrancelha direita nos momentos certos, e que fingia – adoravelmente – correr risco de vida ao lado de Britt Ekland, Barbara Bach, Lois Chiles, Maud Adams ou Grace Jones, atrizes de quem hoje poucos se lembram (são sete filmes como Bond).

O seu génio está todo em Simon Templar, ‘O Santo’, com a sua roupa e penteado imaculados, além de cenas mirabolantes mas de reduzida ação. Hoje, quando vemos os 007 com Moore, recuamos mais do que um século; aquela sofisticação vem tocar-nos de leve, e rimo- -nos: quase tudo é graciosamente obsoleto, até o sentido de humor, o donjuanismo com aquela banda sonora (Carly Simon, Duran Duran, Shirley Bassey ou Sheena Easton, lembram-se?).

Roger Moore era mestre numa grande escola de cavalheiros.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)