Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Blog

Não havia necessidade de entrar em pormenores que relevam do bom senso.

Francisco José Viegas 2 de Janeiro de 2018 às 00:30
Sim. Não me parece que seja sensato oferecer nos restaurantes, bares e cafetarias dos hospitais, aquele género de comida carregada de colesterol, açúcar e gorduras trans. Admito até que, para efeitos de discursata preambular ao despacho nº 11391/2017, que quer limitar - nos hospitais - a "oferta de alguns produtos menos saudáveis" para "obter uma redução sustentável do consumo excessivo de açúcar, sal e gorduras" se usem fora do contexto as palavras 'saudável' e 'sustentável' (que fazem parte da artilharia de qualquer pateta de hoje em dia).

Mas não havia necessidade de entrar em pormenores que relevam do bom senso.

Há, em todo o adepto da engenharia social e socialista, uma vontade extrema de levar as regras até aos pormenores, o que os leva a falhar redondamente porque se esquecem de coisas óbvias, desde proibir o salpicão ou a feijoada de búzios, isto num documento que proíbe a Coca Cola Zero, o arroz-doce, o leite-creme e o pastel de nata, mas não diz nada sobre o pudim Boca Doce, o queijo de Serpa ou a cabidela de Ponte de Lima. É por isso que o País não avança.

LIVROS DO ANO (10)
350 anos depois, 'A Princesa de Clèves', de Madame Lafayette (Relógio d'Água) mostra como continua a ser uma joia de sentimentalismo e, em simultâneo, de feminismo, falando do adultério.
Serpa Coca Cola Zero Boca Doce Ponte de Lima País questões sociais política
Ver comentários