Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Francisco José Viegas

Estava escrito

Apareceu um cavalheiro a respirar otimismo. Era o presidente.

Francisco José Viegas 23 de Junho de 2016 às 01:45
Já está. Era tudo tática, como aqui se escreveu. À minha volta – na cervejaria Os Cunhados, em Benfica – havia uma onda de indignação por nos termos classificado desta maneira para o mortal jogo de sábado com a Croácia.

Lamento desiludir-vos, ó otimistas: estava escrito que seria assim. Ou um combate fatal, ou uma combinação entre as duas equipas. Foi as duas coisas: primeiro, um jogo que mereceu ser visto, finalmente; depois, no fim, um Estremocense-Nisa sob a canícula, com a Hungria desfeita e nós à compita com os terceiros.

No final, entre juras de amor pelos oitavos, apareceu na televisão um cavalheiro a substituir Fernando Santos e a respirar otimismo por todo o lado. Disseram-me que era o Presidente, também ele a correr atrás do prejuízo.
Benfica Hungria Portugal Fernando Santos futebol Euro 2016
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)