Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Helena Garrido

Austeridade mascarada

Voltámos ao radar dos investidores para aliviar pouco a austeridade.

Helena Garrido 5 de Fevereiro de 2016 às 00:30
Hoje é o dia em que vamos conhecer todos os pormenores do Orçamento. Entrará no Parlamento e terá o parecer da Comissão Europeia. Como se foi antecipando, "virar a página da austeridade" é bastante mais difícil do que o prometido.

Aquilo a que vamos assistindo é a uma redistribuição e disfarce da austeridade, alguma contabilidade e muita negociação em modelo feira portuguesa de outros tempos. Já se percebeu que a Comissão está bastante irritada e o FMI é suave nas palavras e brutal nos números das previsões económicas, dizendo que não acredita na estratégia de António Costa.

António Costa estará nesta sexta-feira com Angela Merkel e pode já ter percebido que a estratégia de confronto que escolheu não é a mais adequada. Quando conseguirmos fazer as contas podemos acabar por concluir que Pedro Passos Coelho conseguiu aliviar mais a austeridade em 2015 do que vai conseguir este.

Há medidas que vão no bom sentido, como a que desincentiva o crédito ou torna mais caro algum planeamento fiscal. Mas aliviar a austeridade de um lado para subir taxas e tributos que são menos sentidos como o ISP é redistribuir e disfarçar a austeridade.
Parlamento Comissão Europeia FMI António Costa Angela Merkel Pedro Passos Coelho política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)