Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Helena Garrido

Os técnicos de Costa

Na zona euro há regras. Por isso, as razões técnicas são hoje políticas.

Helena Garrido 29 de Janeiro de 2016 às 01:26
São "tecnicalidades orçamentais", diz o primeiro-ministro sobre o conflito a que assistimos entre Lisboa e Bruxelas no Orçamento do Estado. Na sua perspetiva nada se passa ao nível político, embora reconhecendo que o entendimento político depende da aproximação técnica.

Ou a Zona Euro mudou muito nos últimos meses, sem termos dado conta, ou a abordagem de António Costa ameaça irritar ainda mais os credores. O que aconteceu com Paulo Portas no governo anterior é um exemplo. O ex-vice-primeiro-ministro tratou as negociações com os credores como se fossem "tecnicalidades" e acabou a disfarçar o seu recuo.

Concordemos ou não, a Zona Euro tem hoje uma forte componente técnica na sua governação. É uma escolha em si política, de governar com menos discricionariedade e mais regras. É nesse contexto que o Eurogrupo constitui o coração da gestão do euro. É do passado o tempo em que se governava a Europa pelo conselho dos Assuntos Gerais, com poucas regras e muita discricionariedade. António Costa, como Portas, já começou a corrigir a declaração inicial que relegava para a irrelevância política a carta de dois comissários europeus. Carlos César corrigiu ainda mais a mão.
Lisboa Bruxelas Orçamento do Estado Zona Euro António Costa Paulo Portas Eurogrupo Europa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)