Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

J. Rentes de Carvalho

O que penso de Trump?

Numa inesperada mudança pergunta-me o que penso de Trump.

J. Rentes de Carvalho 4 de Novembro de 2016 às 01:45
Foi daquelas paixões a que os românticos chamam avassaladoras. Casaram-se num país onde as palmeiras se curvam à brisa, a areia das praias é branca, o sol brilha sem falta, os indígenas sorriem como quando ainda havia Paraíso.

Surpresa na noite de núpcias: ela, virgem, pediu-lhe que esperasse. Esperou. Depois semanas, meses, torturado pelas forças contrárias do desejo, do amor, da decepção. Ela finalmente cedeu, mas a ocasião deixou em ambos má lembrança, o sexo viria a ser esporádico, sem alegria nem gozo.

Parecerá bizarro, mas esses são os mistérios da alma, viviam em paz. Depois a meia-idade veio, e um dia, por uma futilidade, a tempestade rebentou, gritaram-se os desesperos, as raivas, as ilusões perdidas, as culpas mútuas, a recordação do amor que os devorara.

Conta que nesse momento a poderia ter matado, mas à noite, na cama, quando os corpos por acaso se tocaram, amaram-se como tinham sonhado e nunca acontecera: com fúria, com paixão, acendendo todos os lumes, queimando neles o passado.

- É estranho, não é? – diz ele, parecendo estonteado pela confidência. Olha o relógio, e numa inesperada mudança pergunta-me o que penso de Trump.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)