Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João de Sousa

O politiqueiro brejeiro

Invoquei numa conversa o escritor Saramago. José sentenciou: "esse tipo é um falso homem de esquerda, um encapotado".

João de Sousa 4 de Outubro de 2015 às 00:30
Uma das primeiras conversas que mantive com José Sócrates, foi sobre o fascínio dos livros, sobre o quanto eu gostava de poder falar com os autores sobre as suas obras: o que os motivou, qual o impulso para escrever sobre determinado tema. Como é óbvio, foi um passo muito pequeno até revelar ao José a curiosidade pelo Poder, os corredores do Poder, a Política e os seus protagonistas; afinal sou doutorando em Ciência Política e Relações Internacionais e tinha ao meu lado um ex-1º ministro.

Comuniquei-lhe que sempre votei em branco, pois somente se conhecesse pessoalmente o candidato, se o olhasse nos olhos, se o "cheirasse", poderia, confiantemente, dar-lhe o meu voto.

Invoquei o ‘Ensaio sobre a cegueira’ do Saramago, por causa da questão do voto, e um José manifestando desdém, sentenciou: "João, você precisa de ser educado culturalmente, esse tipo é um falso homem de esquerda, um encapotado!" E a qualidade da escrita, perguntei eu. "Não existem escritores em Portugal. Deveria ler mais em francês". Fiquei admirado porque Saramago foi Nobel. Considerei uma questão de gosto. Voltei à política e aos políticos.

Tentei perceber qual a imagem que aquele político preso – o José – tinha dos seus correligionários e dos seus opositores: pasmei! Sócrates não falou de ciência política, ideologia, economia política ou estado social. Como um verdadeiro cortesão corrosivo, arrasou à esquerda e à direita, por cima e por baixo, revelando-se um autêntico politiqueiro brejeiro.


"Vaidoso cínico!"
"Cada tiro cada melro". Um após outro, todos, nada valiam. Até o Miguel Sousa Tavares que escreveu umas coisas "pró-Sócrates": é um vaidoso cínico! Hoje, 4 de outubro, não vou votar, estou preso. Podia ter votado antecipadamente mas não o fiz. Se valeu de alguma coisa estar preso? Claro que sim, foi fundamental para a minha orientação de voto: abstenção!

Aversão a banhos
Depois de falar com um ex-1º ministro preso, depois de o "cheirar" (e acreditem que cheirava, é conhecida aqui, a aversão do José aos banhos diários) não querendo tomar toda a floresta por uma árvore só, estou lúcido; acredito que algo está mal no nosso país, estamos doentes enquanto povo, nação, quando um homem destes obteve uma das maiores, ou a maior, maioria absoluta da democracia portuguesa.

Vozes do pátio
Sobre Marcelo e Ferro
Marcelo Rebelo de Sousa: "um papagaio; fala mal das pessoas pelas costas, intriguista." Muito bem, José, e politicamente? "João, o homem tem problemas com a namorada; disfunção!" Que raio! Isto é política? Ferro Rodrigues: "um coitado. Mau orador; quando teve o problema com a Casa Pia ficou muito transtornado, mandei-o para fora de Portugal, não tem garra!"

Fala de Sampaio e Portas
Jorge Sampaio: "só fumo! Muito palavreado, pouca ação. Sempre receoso!" Paulo Portas: "ganhei sempre os debates! Muito complexado com a sua orientação!" Orientação política, José? Perguntei eu. Por ter sido da JSD? "Você é muito ingénuo, João. Orientação sexual!" Isto é política?
Ver comentários