Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Penas pesadas

Juíza Maria Luísa Arantes foi vítima de violência laboral.

João Pereira Coutinho 29 de Outubro de 2017 às 00:30
Violência doméstica é crime grave. Mas que dizer da violência laboral que levou a juíza Maria Luísa Arantes a assinar o acórdão da Relação do Porto sem o ler? Foi excesso de trabalho, diz a imprensa.

Não duvido. E, para além do trabalho, terá lido na diagonal por confiar em demasia no discernimento do colega. Resultado: choque e abatimento.

Longe de mim seguir os métodos de Neto de Moura e transformar a vítima em culpada.

Embora, aqui entre nós, não sei o que será mais perturbante: não ler um acórdão e assiná-lo ou assumir esse lapso perante terceiros. Inclino-me para a segunda hipótese.

Sem falar do resto: confiança total nas decisões de Neto de Moura só mostra que esta não foi a primeira sentença que a dra. Arantes não leu.

Eu, se fosse a juíza, mudava de vida e começava a ler qualquer coisinha. Levar com uma moca dói. Mas há penas alheias que esmagam muito mais.
João Pereira Coutinho opinião
Ver comentários