Por João Pereira Coutinho|20.10.17
Uma amiga de esquerda, confrontada com o discurso de António Costa sobre a tragédia dos fogos, comentou: ‘Parece um homem de direita.’ Sorri e compreendi.

A esquerda sempre teve a ilusão da sua própria superioridade moral. A direita despreza os pobres e os humildes. A esquerda, pelo contrário, tem o coração no sítio certo.

Não vale a pena elaborar sobre a caricatura. Excepto para lembrar que ela contribuiu para a humilhação de Costa – e para o ascendente de Marcelo. Para o Presidente, os fogos e as vítimas não se resumem a incompetências técnicas.

O que horrorizou Marcelo – e os portugueses, a começar pelos de esquerda – foi a desumanidade de António Costa e o seu discurso burocrático, sem ponta de mágoa ou arrependimento. E alguns perguntaram: onde está o sentimento da esquerda quando mais precisamos dele? Não está.

E não deve estar: a mera decência humana não é uma questão ideológica.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)