Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Confiar no diabo

Esperar que o diabo apareça é não conhecer as suas manhas.

João Pereira Coutinho 18 de Novembro de 2016 às 01:45
Aguém dizia que o pior que nos pode acontecer é vermos os nossos desejos realizados. Talvez seja – em outras latitudes. Em Portugal, e sobretudo para a oposição, pode ser pior que os desejos não se realizem.

Não vale a pena dizer o óbvio sobre os números da semana: a economia cresce; Bruxelas aceitou o Orçamento; não há sanções a caminho. E também não vale a pena repetir o óbvio sobre o nosso destino a médio prazo: o crescimento económico é tímido; os juros teimam em não descer; os investidores não parecem convencidos.

O problema é que a política mediática não se faz a médio prazo; faz-se a curto prazo. E, no curto prazo, os portugueses têm dinheiro no bolso e nenhuma catástrofe a estragar a bonomia.

Se esta semana ensinou alguma coisa a Passos Coelho foi a não fazer oposição com profecias. Até porque esperar que o diabo apareça é não conhecer as manhas do mafarrico.
Portugal Bruxelas Passos Coelho política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)