Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Doenças incuráveis

Já há uma crise à vista para explicar a nossa crise de juízo.

João Pereira Coutinho 6 de Janeiro de 2017 às 01:45
Quando Portugal atirou a toalha em 2011, uma teoria demente começou a correr pelo asilo: a culpa era da crise internacional; o nosso crescimento (medíocre) e a nossa dívida (explosiva) não tinham nada a ver com nada.

Alguns pacientes levaram esta rábula a sério e nem pararam para perguntar por que motivo a crise destroçava Portugal com uma dureza que não se via nos restantes países europeus.

Passaram cinco anos. O nosso crescimento continua medíocre – e da dívida, nem se fala. Mas com os juros a galoparem nos 4%, parece que há uma nova ‘crise’ para explicar a nossa crise de juízo: a parcimónia do tio Mario (que reduziu a nossa mesada) e os excessos do tio Donald (que quer aumentar as mesadas dele).

Cinco anos depois, eu julgava que esta alucinação colectiva já tinha passado. Enganei-me. A doença de atribuirmos aos outros as nossas misérias privadas talvez seja mesmo incurável.
Portugal economia dívida política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)