Por João Pereira Coutinho|22.10.17
  • partilhe
  • 75
  • 0
Um conselho científico qualquer, daqueles que Bruxelas gosta de ouvir, recomendou há uns meses a suspensão da pesca da sardinha durante 15 anos. Ri. Não era 1 de Abril.

Esta semana, a proposta é mais modesta: nem um exemplar fora das águas em 2018, embora o governo prometa bater-se por 14 mil toneladas, mais coisa menos coisa, a dividir com Espanha.

Como fanático do petisco, eu devia estar alarmado. Não estou. Toda a gente sabe o que aconteceria se as loucuras bruxelenses afundassem as traineiras: a sardinha continuaria a viajar para os nossos pratos na mais perfeita clandestinidade. Imagino-me, aliás, a entrar num dos santuários de Matosinhos ou de Setúbal – e, em homenagem a um político célebre, pedir ao empregado para me trazer ‘fotocópias’.

Claro que, no mercado negro, o preço pode ser mais salgado. Nenhum problema: basta arranjarmos bons amigos para financiar a fotocopiadora.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)