Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João Pereira Coutinho

Hiroshima, meu amor

Sem País e sem portugueses, as eleições já não são precisas para nada.

João Pereira Coutinho 25 de Janeiro de 2015 às 00:30

Diz o Bloco de Esquerda que o Governo tem uma ‘estratégia monstruosa’ para destruir os transportes públicos.

A acusação, certeira e pungente, junta-se assim a outras acusações que se acumularam nos últimos anos. O Governo, pelas minhas contas, desejou destruir: as escolas; os hospitais; a segurança social; a ciência; os tribunais; os polícias; as empresas; os trabalhadores; os jovens; os desempregados; os reformados; os artistas; os ‘gays’. A estratégia, no fundo, passaria pela total destruição do País e dos portugueses que existem dentro dele. No final da razia, o mais provável era o primeiro-ministro autodestruir-se e levar com ele ministros, secretários de Estado, assessores, motoristas e a senhora da limpeza que vai a São Bento às terças e quintas.

Assim se percebe por que motivo o dr. Passos estava a ‘lixar-se’ para as eleições. De facto, sem País e sem portugueses, as eleições já não são precisas para nada.

Hiroshima País Bloco de Esquerda Governo São Bento Passos
Ver comentários